13 de junho de 2011

Átila Siqueira - Alma Negra

Um pequeno poema de Átila Siqueira - Alma Negra



Minha alma é má,
É negra, é triste,
Sente dor.
Sente falta
Do teu amor.

Minha alma é negra
Como uma triste flor,
Que resiste ao inverno,
Seca, murcha, triste,
Solitária, melancólica,
E vivendo
Uma grande dor.

Minha alma
Tornou-se má,
Tão quanto frio
Tornou-se
Meu coração.
Quando tentava
Provar-te meu amor.
Quando tentava
Provar-te
Minha devoção.

Minha alma
É um poço escuro.
Uma caverna
De solidão.
Um abismo frio
E sem vida.
Um lugar remoto
De dor e desilusão.

Assim é minha alma,
Envolta em neblina densa.
Envolta na neblina da paixão.
Cega por um grande amor.
Mergulhada em uma
Grande escuridão.

Essa é minha alma negra,
Que um dia foi branca,
Como as nuvens
De um dia de verão.
E que escureceu
Por perder as esperanças.
Escureceu por viver na solidão.
Escureceu pela vida sem amor.
Escureceu pela falta de emoção.

Essa é minha alma negra,
Mais negra
Que a própria escuridão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem-vindo!

- Dê sua opinião sobre o assunto, me conte o que achou do post, Me diga o que acha do blog!
- Você pode também fazer criticas construtivas.
- Caso queira, deixe o link do seu blog no final do comentário, e com certeza farei uma visitinha lá.
Volte Sempre!

Instagram@biashaina