Mostrando postagens com marcador poemas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador poemas. Mostrar todas as postagens
22 de outubro de 2018

Lindos Poemas Sobre as Orquídeas

Lindos Poemas Sobre as Orquídeas

Bom dia pessoal, como estão? Hoje eu trago lindos poemas e poesias sobre as Orquídeas! Estava navegando pelo site O Pensador e me deparei com esses lindos textos de vários autores, espero que gostem de alguns que trouxe aqui.


"Por influência de minha mãe, sou apaixonada por orquídeas...

Olho para as rosas e são lindas... Mas, ao mesmo tempo, sua beleza não me cativa. Não fico olhando para rosas, cobiçando-as... Me é indiferente recebê-las...

Porém... Ao olhar uma orquídea o meu desejo imediato é levá-la comigo.

Sua beleza é subjetiva, não se mostra ao primeiro olhar, 
a menos que a ames. A beleza da orquídea tem um quê de misterioso, é preciso apreciá-la para achá-la bela.

Orquídeas são exóticas, selvagens e independentes. Elas crescem agarradas a outras plantas sem prejudicá-las...
Dão flores apenas se o local e o ambiente forem de seu agrado.

São voluntariosas e cheias de caprichos. Estão constantemente a nos dizer: faço as coisas do meu jeito."



"Paciência e cuidado são coisas fundamentais em nossas vidas.

Todos quando veem a linda flor de uma orquídea, admiram a sua beleza, mas poucos sabem que ate ela liberar a primeira flor, é preciso muita paciência e cuidado, se você tiver paciência e cuidar bem, será retribuído com um linda flor. são três anos de dedicação e muita paciência. E isso vale para tudo na vida, tudo tem seu tempo!. "



"Orquídeas 
Hoje perdi uma flor do meu jardim, acho que murchou, acho que morreu. Será culpa do frio? Será que o frio sou eu? A flor era tão linda, tão linda e se perdeu. Esqueceu-se de tudo, esqueceu quem lhe colheu. Acho que o frio sou eu. Cada pétala era ouro, cada flor é um tesouro. Qual a flor preferida? Será que são minhas orquídeas? E a culpa é de quem?"



Espero que tenham gostado, um beijo e até a próxima!

Me Acompanhe também:


20 de agosto de 2018

Música Poema: Eu te Amo de Chico Buarque

Música Poema: Eu te Amo de Chico Buarque

Olá, como estão? Hoje trago uma música poema de Chico Buarque que acho muito linda! Espero que gostem!

EU TE AMO

Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Se, ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir

Se nós, nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir

Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armário embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu

Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios inda estão nas minhas mãos
Me explica com que cara eu vou sair

Não, acho que estás só fazendo de conta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir

Espero que tenho gostado desse lindo poema de amor. Um beijo e até a próxima!


Me Acompanhe também:
18 de junho de 2018

Ipê Amarelo um Poema de Dora Tavares

Ipê Amarelo um Poema de Dora Tavares, textos, poemas

IPÊ AMARELO

Dentre a relva,
ainda queimada pelo frio,
ressurgem os ipês,
magníficos, por toda parte.
Generosos,
atapetam o chão,
com seu ouro em cálices:
- uma tela -
sem assinatura,
que se expõe
sem expectador,
uma pintura.
Uma explosão de cor
que se engalana no tempo certo.
Majestoso,
ele se seculariza numa sucessão
de infindáveis primaveras.
Depois se disfarça,
entre verdes iguais,
para guardar,
mais uma convocação
da mãe natureza.


Dora Tavares.

Fonte: https://www.recantodasletras.com.br/poesias/1909882

Espero que tenham gostado. Beijos e até a próxima!

Me Acompanhe também:


25 de dezembro de 2017

Alma Negra, Um Poema de Átila Siqueira

Alma Negra, Um Poema de Átila Siqueira


Um pequeno poema de Átila Siqueira - Alma Negra

Minha alma é má,
É negra, é triste,
Sente dor.
Sente falta
Do teu amor.

Minha alma é negra
Como uma triste flor,
Que resiste ao inverno,
Seca, murcha, triste,
Solitária, melancólica,
E vivendo
Uma grande dor.

Minha alma
Tornou-se má,
Tão quanto frio
Tornou-se
Meu coração.
Quando tentava
Provar-te meu amor.
Quando tentava
Provar-te
Minha devoção.

Minha alma
É um poço escuro.
Uma caverna
De solidão.
Um abismo frio
E sem vida.
Um lugar remoto
De dor e desilusão.

Assim é minha alma,
Envolta em neblina densa.
Envolta na neblina da paixão.
Cega por um grande amor.
Mergulhada em uma
Grande escuridão.

Essa é minha alma negra,
Que um dia foi branca,
Como as nuvens
De um dia de verão.
E que escureceu
Por perder as esperanças.
Escureceu por viver na solidão.
Escureceu pela vida sem amor.
Escureceu pela falta de emoção.

Essa é minha alma negra,
Mais negra
Que a própria escuridão.
25 de junho de 2012

Poema A Espera....

leitura, textos, frases, espera, reflexões, poemas, poesias, textos autorais


A Espera...

Abri os olhos e vi um céu com nuvens cinzas a pairar sobre minha cama....
Sei que o vento as levará embora, mas parece que ele não quer soprar!
Olho para o lado e vejo apenas um ser transparente sorrindo para mim.
Outro dia ele me falou o seu nome...
Mas o que me incomoda mesmo são as tais nuvenzinhas, se ao menos elas se dissolvessem numa chuva tranquila...
Vento, onde foi parar?
Quando levará embora as nuvens e me trará novamente o sol?


Espera...


Esse poema foi de minha autoria, espero que tenham gostado! Mas, não vá embora ainda, aqui no blog abordamos vários assuntos, algum deles pode te interessar, não é mesmo? Então, não deixe de conferir esses posts: Série Strange Things, Madredeus: Dicas de Música

Me Acompanhe também: 




11 de janeiro de 2011

A Coruja Branca - Um Poema de Lêdo Ivo

Coruja, coruja branca, Leitura, poemas, textos, textos motivacionais, poema de ledo ivo, poema sobre corujas,

A Coruja Branca

Em minha casa entre as árvores ouço o rumor da noite.
O vento escorraça os astros crepitantes
As montanhas descem em direcção ao mar como rebanhos
que não tivessem esperado a licença da aurora para
a migração necessária.
E a erva cresce.
E a água corre.
E o mundo recomeça
como uma palavra interrompida.
E as nuvens caem do céu e rastejam no caminho danificado pelas chuvas de janeiro.
Um pio atravessa a folhagem murmurante.
A coruja branca, minha irmã sedentária,
vigia na escuridão o mundo abandonado
por tantas pálpebras fechadas.

Lêdo Ivo



Quem Sou Eu

Beatriz, 34 anos, Aquariana, viciada por batons, fotografia, livros, viagens, moda e tudo que envolva este universo feminino. Maiores sonhos: Viajar e conhecer novos lugares!

Arquivos do Blog

Facebook

@b_shainavisualdesing

Pesquisar

Google+ Badge

Seguidores

Favoritos

Visualizacoes

Onde me Encontrar

Follow


Me Siga no Instagram @biashaina