Mostrando postagens com marcador textos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador textos. Mostrar todas as postagens
25 de dezembro de 2017

Alma Negra, Um Poema de Átila Siqueira

Alma Negra, Um Poema de Átila Siqueira


Um pequeno poema de Átila Siqueira - Alma Negra

Minha alma é má,
É negra, é triste,
Sente dor.
Sente falta
Do teu amor.

Minha alma é negra
Como uma triste flor,
Que resiste ao inverno,
Seca, murcha, triste,
Solitária, melancólica,
E vivendo
Uma grande dor.

Minha alma
Tornou-se má,
Tão quanto frio
Tornou-se
Meu coração.
Quando tentava
Provar-te meu amor.
Quando tentava
Provar-te
Minha devoção.

Minha alma
É um poço escuro.
Uma caverna
De solidão.
Um abismo frio
E sem vida.
Um lugar remoto
De dor e desilusão.

Assim é minha alma,
Envolta em neblina densa.
Envolta na neblina da paixão.
Cega por um grande amor.
Mergulhada em uma
Grande escuridão.

Essa é minha alma negra,
Que um dia foi branca,
Como as nuvens
De um dia de verão.
E que escureceu
Por perder as esperanças.
Escureceu por viver na solidão.
Escureceu pela vida sem amor.
Escureceu pela falta de emoção.

Essa é minha alma negra,
Mais negra
Que a própria escuridão.
25 de junho de 2012

Poema A Espera....

leitura, textos, frases, espera, reflexões, poemas, poesias, textos autorais


A Espera...

Abri os olhos e vi um céu com nuvens cinzas a pairar sobre minha cama....
Sei que o vento as levará embora, mas parece que ele não quer soprar!
Olho para o lado e vejo apenas um ser transparente sorrindo para mim.
Outro dia ele me falou o seu nome...
Mas o que me incomoda mesmo são as tais nuvenzinhas, se ao menos elas se dissolvessem numa chuva tranquila...
Vento, onde foi parar?
Quando levará embora as nuvens e me trará novamente o sol?


Espera...


Esse poema foi de minha autoria, espero que tenham gostado! Mas, não vá embora ainda, aqui no blog abordamos vários assuntos, algum deles pode te interessar, não é mesmo? Então, não deixe de conferir esses posts: Série Strange Things, Madredeus: Dicas de Música

Me Acompanhe também: 




11 de janeiro de 2011

A Coruja Branca - Um Poema de Lêdo Ivo

Coruja, coruja branca, Leitura, poemas, textos, textos motivacionais, poema de ledo ivo, poema sobre corujas,

A Coruja Branca

Em minha casa entre as árvores ouço o rumor da noite.
O vento escorraça os astros crepitantes
As montanhas descem em direcção ao mar como rebanhos
que não tivessem esperado a licença da aurora para
a migração necessária.
E a erva cresce.
E a água corre.
E o mundo recomeça
como uma palavra interrompida.
E as nuvens caem do céu e rastejam no caminho danificado pelas chuvas de janeiro.
Um pio atravessa a folhagem murmurante.
A coruja branca, minha irmã sedentária,
vigia na escuridão o mundo abandonado
por tantas pálpebras fechadas.

Lêdo Ivo



Beatriz

Sejam bem-vindos ao Beatriz Shaina! Aqui iremos falar um pouco de tudo. Desde coisa que fazem parte do nosso dia a dia até dicas para a blogosfera! Meu desejo é trazer assuntos para te inspirar, ajudar e falar sobre dia a dia. Aproveitem, conhecam o blog, e espero que gostem de fazer parte do meu mundo.

Arquivos do Blog

Facebook

@b_shainavisualdesign

Pesquisar

Seguidores

Favoritos

Onde me Encontrar

Follow


Visualizacoes

Me Siga no Instagram @biashaina